igreja-e-dinheiro

Qualquer projeto, seja ele institucional, individual ou espiritual, quando não se tem uma constante preocupação em manter o foco, sai do eixo com bastante facilidade. Creio que foi isso que aconteceu com a religião cristã. No inicio era apenas um grupo de pessoas dissidentes da religião judaica que alguns anos depois ficaram sobre a liderança do estado romano, dando inicio assim a institucionalização do projeto de vida belíssimo defendido por Jesus. Não tenho nada contra a institucionalização do Cristianismo, acho aliás que caso não tivesse ocorrido, o Cristianismo entraria rápido em extinção. 

O que me causa inquietação e um pouco de revolta, é perceber que com o passar dos séculos, já não existem mais comunidades cristãs (igrejas) que buscam hoje viver na prática o genuíno evangelho de Cristo. Perderam-se no tempo. O que vemos hoje são apenas ecos do que Jesus realmente almejava para as pessoas. O projeto de cristo de instituir o Reino de Deus aqui na terra fracassou. O Padre Fábio de Melo em entrevista na TV fez uma afirmação que quase lhe custou o seu ofício sacerdotal. Ele disse que Jesus pediu que construíssemos o Reino de Deus aqui na terra e o máximo que conseguimos foi criar a igreja. E que igreja, heim!?

A situação das igrejas cristãs da atualidade é extremamente preocupante. Não me refiro a teologia da prosperidade, a intolerância religiosa, nem ao legalismo e ao alto nível de exigências comportamentais feita por elas. Tudo isso é fichinha se comparado ao maior problema que ela vive. A igreja está passando por um quadro de patologia que é o mesmo que a sociedade de um modo geral está vivendo. Nossa igreja se tornou escrava do sistema financeiro. Todos os requisitos exigidos pelo capitalismo foram absorvidos plenamente pela igreja.

Ao ler esse texto, você pode cair na triste ilusão de achar que o que eu vou falar aqui não diz respeito a você pois você não se considera uma pessoa rica. Deixa eu falar algo importantíssimo para você: Segundo a Bíblia, Jesus considerava uma pessoa rica aquela que possuía mais do que o essencial. Mesmo assim você pode ainda dizer que os bens que você possui são apenas os básicos. Tudo bem, gostaria apenas que você refletisse sobre as seguintes questões, para que seja assim possível uma auto análise. 

  • Qual o motivo de comprarmos imóveis em áreas mais nobres com estruturas mais sofisticadas, se um imóvel de tamanho menor, mais simples e em um bairro mais humilde iria te oferecer todas condições básicas e dignas de moradia? 
  • Qual o motivo que temos para comprar carros mais potentes e de valores maiores, se um automóvel convencional com um preço menor vai te oferecer condições suficientes de locomoção?
  • Qual o motivo que temos para sermos tão escravos das mudanças tecnológicas, onde aparelhos de Smartphones que custam mais de R$ 2.000,00 podem ser substituídos por outros de R$ 400,00? Computadores, tablets, notebooks, TVs, aparelhos de som e outros eletrodomésticos não precisam na maioria das vezes serem os mais completos, pois 99% dos seus usuários nunca irão utilizar 100% dos seus recurso tecnológicos.
  • Por que pagamos tão caro para termos um marca estampada numa roupa, em um sapato ou em uma embalagem de perfume? 
  • Por que necessitamos tanto querer mostrar para os outros um status de crescimento financeiro?
  • Por que pagamos tão caro para vermos nosso artista preferido, para assistirmos um jogo de um mundial de futebol, para fazermos uma viagem ou para nos hospedarmos em um hotel? 
  • Será que a quantidade de dinheiro que você tem guardado no banco é realmente necessária? Qual a finalidade dela estar lá? Você irá utilizar todo esse dinheiro ou é apenas uma necessidade sua de garantir uma pseudo-segurança em relação ao seu futuro financeiro? Ou seria apenas a real vontade de acumular riquezas?
  • Será que você precisa realmente se matar de trabalhar todos os dias para manter o padrão de vida que você tem atualmente?

Jesus não é a favor de um estilo de vida miserável, ele é a favor de um estilo de vida simples, onde podemos viver de maneira digna com os recursos básicos necessários. Você já parou para imaginar o quanto nós economizaríamos se nos descontaminássemos do consumismo imposto pelo sistema? Imagina quanto do teu dinheiro iria sobrar para ajudar aos que nada possuem.

Sabe quantas vidas você poderia salvar se mudasse seu estilo de vida? Você sabe quantas pessoas no nosso país morrem por não terem condições de comprar um remédio para tratar sua doença? Você sabe quantas crianças ainda morrem de fome por não ter o que comer? Você sabe quantos morrem nas filas dos hospitais públicos esperando por um atendimento médico por não terem condições de pagarem um plano de saúde?  São inúmeras. Infelizmente a miséria ainda existe em nossa Brasil e nós não podemos continuar de braços cruzados apenas criticando o governo. Temos que agir e agir não apenas protestando ou votando consciente, temos que agir imediatamente dividindo o que temos com os que nada tem ou pouco possuem. Se cada um fizer assim, chegará um momento em que os recursos estarão distribuídos de maneira mais igualitária. 

Lembrem-se, compartilhar é a mensagem central do evangelho. Doar é um ato de amor e só pode se intitular cristão, aquele que ama de fato. Portanto, a partir do momento que decidimos realmente dividir o que temos com os necessitados, estamos vivendo na prática o que Cristo nos pediu. 

Para finalizar, eu poderia citar vários versículos do novo testamento dando base teológica para tudo o que foi dito aqui, mas prefiro citar apenas um. Nesse versículo não existe a possibilidade de uma outra interpretação para ele, pois é gritante o que Jesus quis dizer ao falar isso:

“Digo-lhes a verdade: Dificilmente um rico entrará no Reino dos céus.

E lhes digo ainda: é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus”.

Mateus 19:23-24

Anúncios